Destaque
08/12/2015 13:01

QUALIDADE DE VIDA: UMA QUESTÃO DE BONS HÁBITOS
por Ruy Junior

A racionalidade do ser humano é o fator que o diferencia acentuadamente de outros seres, graças a isso é possível analisar situações e refletir se determinada atitude pode ser benéfica ou maléfica para sua vida, porém deixamos de lado a incansável busca pela “sobrevivência” de nossos longínquos antepassados e encontramos uma situação atual em que apenas vivemos, sempre tentando evoluir para que possamos viver cada vez mais e melhor.

 

Muitas são as variáveis que devem ser levadas em consideração para que se possa viver bem. Destacamos então a boa saúde física, afinal de contas qualquer indivíduo que é acometido de alguma patologia crônica ou aguda, enfermidade ou ainda qualquer disfunção está condicionado a ter uma redução em sua qualidade de vida. Agora lhe faço as mesmas perguntas que há muito tempo vem me deixando inquieto: por que insistimos em gastar milhões em tratamentos de doenças que poderiam ser facilmente evitadas? Porque não investimos na prevenção dessas doenças? Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) para cada dólar investido em esporte economizaríamos cinco no tratamento de doenças, mas essa não é uma informação nova, pois como já afirmava Hipócrates há 2500 anos “apenas alimentação não mantém o homem saudável, ele também precisa do exercício físico” após essas informações encontro um “norte” em minha explanação para que se possa detectar uma maneira eficiente de aumento na qualidade de vida.

 

Pois bem, em nenhum momento esse artigo se propôs a ter cunho político ou duvidar das ações de nossos líderes, mas sim tentar chamar a sua atenção para algo bem simples, “pense em exercício físico não apenas com propósitos estéticos, mas também como um promotor de saúde”.

 

A lista pode se apresentar extensa quando ligamos a prática de exercício físico e sua eficiência como prevenção não medicamentosa. Entre os problemas mais frequentes encontramos: Posturais, Lesões articulares e musculares, Osteoporose, Cardíacos, Neuromusculares, Diabetes, Obesidade, Depressão, Imunológicos entre outros. Segundo o Ministério da Saúde (MS) os principais causadores de morte no Brasil são os problemas cardiovasculares, ligado principalmente a hipertensão, por mais que essa seja uma patologia muitas vezes atribuída a uma carga genética, hábitos saudáveis são capazes de reduzir as chances de um possível agravamento da doença. Ainda como uma forma de tratamento não farmacológico, dependendo em que grau de hipertensão se encontra o paciente, é possível que apenas com a realização de exercícios garanta-se uma atenuação do quadro e atinja a sua normalidade. Importante ainda destacar que a musculação bem orientada vem ganhando destaque e se sobressaindo em relação ao exercício aeróbio para este fim, como relatou o pesquisador McCartney, porém esse é assunto para um artigo específico.

 

Já a Diabetes tipo 2 encontra-se como a 6ª causa de internação no Brasil, como indica o Consenso da Sociedade Brasileira de Diabetes (CSBD), porém o que agrava essa doença é que geralmente ela precede outros vários problemas como cardiopatia isquêmica, insuficiência cardíaca, colecistopatias, AVC entre outros. Sabendo-se que a Diabetes tipo 2 tem forte relação com má alimentação e ausência de exercícios físicos se torna lógico pensar que esta pode ser facilmente evitada criando o hábito de atividade física e boa alimentação desde a infância.

 

Outro problema que vem se destacando de forma negativa nos últimos anos são as dislipidemias, essas caracterizam-se por ser um distúrbio no metabolismo lipídico, que elevam as chances do aparecimento de doenças nas artérias coronarianas mais regularmente, porém em seu livro Guedes e Guedes relatam que o exercício físico tem capacidade de reduzir o teor de lipídios e lipoproteínas plasmáticas entre outros benefícios relacionados, evitando principalmente a aterosclerose, que destaca-se como um dos problemas mais graves. Poderia ainda me estender sobre os benefícios do exercício sobre o processo de envelhecimento, mas esse é um assunto que merece uma atenção especial e com certeza terá um artigo destinado somente ao pessoal que já está na melhor idade, porém espero que esse pequeno texto tenha chamado sua atenção para algo muito simples, manipule seu futuro estruturando seu presente. Portanto se ainda não pratica nenhuma atividade física, de um jeito nisso agora mesmo, através do Programa de Treinamento CEPEF Health, nos comprometemos a planejar todo seu treino respeitando seus objetivos.

 

Grande abraço a todos e bom treino intenso!

 

Prof. Esp Ruy Junior – Membro do Centro de Estudos em Performance e Estética Fisiológica (CEPEF) e Responsável pelo Programa de Treinamento e Consultoria “ALTA INTENSIDADE”.

Compartilhe:
Comente